| |
|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 232940 { professores: 0 | editores de blog: 0 | editores de sites profissionais: 0 | usuários com coleções públicas: 5 }

Comentários
Era Uma Vez no Tibet

Ficção | De Roberto Maya | 1993 | 4 min | SP

13 Comentários
Por Joao Serni - Usuário | 28/01/2015

Foda...fodissimo....rsrsrsr
Por kátia Cristina - Usuário | 15/08/2013

Esse foi o primeiro curta que assisti aqui e foi há mais de 10 anos... Sempre procuro pra assistir, adoro.
Por Alexandre Nuñez Tardin - Usuário | 15/11/2012

Desistir é para os fracos.
Por João Baptista Salazar da Costa - Usuário | 28/01/2010

Estou no final das filmagens de meu primeiro longa e estou com medo dele não agradar,mas depois de assistir dois atores de renome contribuirem para a realização de um filme ridículo além de se calcar em uma piada também idiota, comcluo sem medo de errar que minha produção, pelo menos vai ser vista como uma arte séria.
Por Viviane Gulherme da Lei Paulo - Usuário | 28/01/2010

Eu gostei... A leveza de uma piada que já se conhece, mas, com a sutileza do cinema... Bom para rir sem compromisso com nada...
Por kall Rodrigues - Usuário | 28/01/2010

O filme na realidade é uma comédia, mas o discípulo demorar trinta anos para dizer que desiste ai é muito... mas é bom.
Por Francisco Miranda - Usuário | 28/01/2010

Olhe, eu já ouvi isto como piada, mas vendo as imagens eu achei que pode ter alguma profundidade nisso. Quando o Mestre Tibetano diz ao iniciante que ele já sabia, que ele não iria aguentar, pois o aprendiz sempre estava reclamando, na verdade, a reclamaçao deveria ser diária, pois se passava dez anos e vinha uma reclamaçao. Isto é o que se passa dentro da gente diariamente, sempre estamos reclamando, mesmo que não falemos a ninguém. Se pudéssemos reclamar de dez em dez anos, com duas palavras, repetiriamos o que reclamavamos internamente diariamente. Gostei como piada e como exemplo.
Por Paulo Roberto de Oliveira Jr - Usuário | 28/01/2010

Engraçado.
Por Anderson Macedo - Usuário | 28/01/2010

Fraco. Pobre. Até o título é clichê. Se a intenção do diretor foi produzir algo sem nehuma criatividade, mas apenas aproveitar o roteiro pronto de uma piada e disfarçá-la de irreverência, ele conseguiu. Usar dois atores de gabarito para uma obra como essa me chocou mais ainda. Tudo poderia ficar melhor (ou menos pior) se o final fosse diferente, e aprensentasse algo menos banal e mais surpreendente.
Por Dênis Roberto da Silva Petuco - Usuário | 28/01/2010

Impagável!!! A piada já é antiga, mas na interpretação destes mestres, ela ganha contornos realmente hilários.

Páginas: 1 2