| |
|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 110235 { professores: 1 | editores de blog: 0 | editores de sites profissionais: 0 | usuários com coleções públicas: 6 }

Comentários
Inciso XXI

Ficção | De Eduardo Barioni | 2003 | 8 min | SP

3 Comentários
Por Alexandre Nuñez Tardin - Usuário | 15/07/2016

"O "sangue" foi feito em parte com mel...", daí o sangue estar mais grosso, tal como foi citado por um dos garotos endiabrados. Mas vida em comunidade é assim mesmo, convivem com a criminalidade desde cedo, e tudo se torna bastante comum e habitual para eles (inclusive alguns deles vão para as tropas do crime). Bom curta.
Por Eduardo Barioni - Exibidor | 28/01/2010

Só corrigindo meu comentario anterior: O filme nao foi "feito" em 2 dias, o termo certo seria "filmado ou gravado", e também errei no número de dias, que foram 3 (três). Mais curiosidades:
- O "defunto", interpretado BRAVAMENTE pelo cineasta e diretor de tv pernambucano Beto Y Plá (Trevas), só pôde comparecer no ultimos dois dias de rodagem. No primeiro dia, foram rodados praticamente todos os planos sem o defunto. No segundo dia, todos os planos com Betinho. O "sangue" foi feito em parte com mel, o que chamou uma centena de insetos entre abelhas e formigas para o corpo de Beto.
Por Eduardo Barioni - Exibidor | 28/01/2010

O Inciso XXI é um filho intuitivo, um grito desesperador em meio à selva de lixo e concreto que é São Paulo, onde a violência insurge como reflexo de uma falta de planejamento e de infra-estrutura generalizada da terceira maior cidade do mundo. A visão de três garotos que cotidianamente vivenciam a morte e o terror já acostumados com essa rotina.

Curiosidades:
- Foi feito em 2 dias e com uma lata e meia de negativo.
- O filme levou um ano e meio para ser finalizado.
- No roteiro original haviam dois personagens. O terceiro foi imposiçao de um dos meninos, por ser seu melhor amigo.
- A música do início foi escrita na escola onde os garotos estudam.
- O objeto que pega fogo no filme só foi queimado por sobrou filme na lata, mas ganhou sentido simbólico sobre a obsessão do garoto.