| |
|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 114211 { professores: 0 | editores de blog: 0 | editores de sites profissionais: 0 | usuários com coleções públicas: 6 }

Comentários
7 Comentários
Por Laiane Nogueira - Usuário | 21/04/2012

O final, para mim, ainda é uma incógnita... Mas o curta é lindo. Imagens, Música, e Texto. Emocionante.
Por João Baptista Salazar da Cost - Usuário | 28/01/2010

Porque algumas pessoas quando analizam os trabalhos de outrem imprimem uma característica de crítica negativa mesmo tratando-se de boas obras (?). Existem por aí muitos cineastas sem câmera. Gostaria de ver os filmes que fazem... Parabéns meu colega Daniel Labanca, seus 5 minutos foram muito bem trabalhados no seu filme.
Por Neide Rejane de Menezes Cantar - Usuário | 28/01/2010

Ao ver o filme, lembrei-me de que estou presa a regras e jogos, mãos atadas, melancolia, porque a natureza impõe suas regras e os ponteiros do relógio nunca param, mas um dia meu coração irá parar. Belo filme! Parabéns!
Por Rodrigo Valle - Usuário | 28/01/2010

Otimo filme ate a chuva de pipocas ...
Por Lucila Casseb Pessoti - Usuário | 28/01/2010

Vixe, que curta mais difícil de ser comentado! A depender do dia, você ama. No dia seguinte, odeia. Credo. Só os que sofrem de bipolaridade vão conseguir entender completamente.
Por fred monteiro - Usuário | 28/01/2010

Gostei muito da fotografia, do texto em si mesmo e da atuação do único personagem. O filme tem um ritmo coerente com o texto, só que se perde pela obviedade das imagens... cada palavra é literalmente interpretada quer pelo ator, quer pela câmera... essa obviedade cansa o espectador desde os primeiros 2 minutos e prossegue até o final quando -eureka!- uma imagem completamente fora do contexto encerra o curta... pergunto-me... que ligação, senão um evidente discurso secreto do autor tem a imagem do personagem a comer pipocas, numa chuva delas (bem interessante como imagem)... com as indagações filosóficas do texto? Ou seria proposital essa imagem descontextualizada em contraposição com a intensa obviedade que mencionei e que perpassou todo o filme? Somente pra chocar? Ou pra reconhecer no final que todo o filme foi óbviamente óbvio???? Perdoe a sinceridade... minha nota é 3, pelas razões acima..
Por Sérgio Carneiro da Silva - Usuário | 28/01/2010

Gostei. Um filme p´ra ser reassistido. Temática filosófica, algo que me interessa. E audio-visualmente também bem feito. Tenta fazer uma fusão entre poesia existencialista e imagem... Leva a uma breve reflexão - algo que não está em voga, aliás. Parabéns aos criadores.