| |
|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 701819 { professores: 8 | editores de blog: 0 | editores de sites profissionais: 0 | usuários com coleções públicas: 21 }

Comentários
Um Sol Alaranjado

Ficção | De Eduardo Valente | 2001 | 18 min | RJ

16 Comentários
Por Paulo R. Saturnino Figueiredo - Usuário | 06/08/2010

Lindo e comovente!
Por Yvana Calado Garcia - Usuário | 07/08/2010

A solidão dentro do silencio numa vida dividida... a dor... o amor. Profundo! Parabéns!
Por ronaldo martins botelho - Usuário | 04/08/2010

Uma reflexão profunda sobre silêncio, morte e solidão - elos de uma mesma cadeia da existência.
Por Bruno Duarte - Usuário | 05/08/2010

Roteiro sem surpresa... História sem novidades...
Por Luísa Ramos Caetano - Usuário | 28/01/2010

Lindo, sensível e cativante...
Por Jadson simoes - Usuário | 28/01/2010

o silêncio chama à atenção do telespectador, que acostumado a viver num mundo curtubado fica na espectativa da fala dos personagens, por não achar que ainda é possível silenciar e perceber o que se passa ao redor dele mesmo. Esplêdido esse curta,pois além da da angústia, da solidão do sofrimento dadaor transmitida a nós telespectadores, mostra que o respeito e o amor ao próximo vence as barreiras. Parabéns pela grande lição de vida!
Por Ériton Bernardes Berçaco - Usuário | 28/01/2010

O filme é sensível e explora o som, alheio aos personagens, como contraponto e reforço do silêncio, que evidencia o vazio e a solidão. Parabéns!
Por Lucila Casseb Pessoti - Usuário | 28/01/2010

Bom demais! Até minha respiração ficou contida, para não atrapalhar o ritmo. Foi preciso um bom tempo para recuperar o fôlego. Hoje, por respeito, parei com os curtas.
Por alberto antonio moreira - Usuário | 28/01/2010

Um mundo barulhento, que não sabe comunicar-se, invade uma casa em silêncio. E nesta casa os gestos, o afeto, satisfaz a nossa alma sedenta de comunicação, de comunhão. Lá fora a inconsciência do que está se perdendo. No sofá vazio a certeza da vida que comungou. Não é só um filme sensível, ... é mais.
Por Paulo Brasil de Lima - Usuário | 28/01/2010

Abnegação, entrega, dedicação, companheirismo, sacrifício, atenção e amor em 18 minutos de sofrimento do espectador. Uma boa obra. Parabéns!

Páginas: 1 2